Category Archives: Ensaio

Estudo anatómico do grypho

A Cabeça do Grypho O Infante D. Henrique Em seu throno entre o brilho das esferas, Com seu manto de noite e solidão, Tem aos pés o mar novo e as mortas eras — O unico imperador que tem, deveras,

Estudo anatómico do grypho

A Cabeça do Grypho O Infante D. Henrique Em seu throno entre o brilho das esferas, Com seu manto de noite e solidão, Tem aos pés o mar novo e as mortas eras — O unico imperador que tem, deveras,

Entre inimigos: o perigoso mundo de Dennis Lehane

O universo literário moderno tem destas coisas: antes de comprarmos um livro, já sabemos a expectativa que devemos ter. O marketing, a comercialização do livro ao extremo, a estranha necessidade de uniformização da opinião, do hype em redor da novidade, trouxeram-nos as péssimas

Entre inimigos: o perigoso mundo de Dennis Lehane

O universo literário moderno tem destas coisas: antes de comprarmos um livro, já sabemos a expectativa que devemos ter. O marketing, a comercialização do livro ao extremo, a estranha necessidade de uniformização da opinião, do hype em redor da novidade, trouxeram-nos as péssimas

A inverosímil arte da escrita

um absurdo histórias de cores insónias desastres de viaturas motorizadas tinta e papel   o silêncio nada é por acaso. a morte faz-se em parcelas divididas por datas de calendários electrónicos. um apito. um efeito de drogas duras, um balanço,

A inverosímil arte da escrita

um absurdo histórias de cores insónias desastres de viaturas motorizadas tinta e papel   o silêncio nada é por acaso. a morte faz-se em parcelas divididas por datas de calendários electrónicos. um apito. um efeito de drogas duras, um balanço,

O Congresso Futurológico: Lem vs. Folman

“Sim, é óbvio que o sustento imaginário nunca pode substituir o que é real.” Stanislaw Lem Há uma anedota onde se conta que após morrer, um homem vê-se obrigado a escolher entre ir para o céu ou para o inferno.

O Congresso Futurológico: Lem vs. Folman

“Sim, é óbvio que o sustento imaginário nunca pode substituir o que é real.” Stanislaw Lem Há uma anedota onde se conta que após morrer, um homem vê-se obrigado a escolher entre ir para o céu ou para o inferno.

As zines dos anos 80 e 90

Mas afinal o que é uma zine? Stephen Duncombe responde: “Zines are noncommercial, nonprofessional, small-circulation magazines which their creators produce, publish, and distribute by themselves”. São independentes, locais e não querem ter nada a ver com aquele “sonho” de criar

As zines dos anos 80 e 90

Mas afinal o que é uma zine? Stephen Duncombe responde: “Zines are noncommercial, nonprofessional, small-circulation magazines which their creators produce, publish, and distribute by themselves”. São independentes, locais e não querem ter nada a ver com aquele “sonho” de criar

Oh não! Outro texto sobre William Burroughs

A mancha de texto desce sobre a página a partir do canto superior direito, em direcção àquilo que parece ser uma vagina, com uma seta a indicar “Exit Only”. Acima, no que vulgarmente se chama “monte de Vénus” – ainda

Oh não! Outro texto sobre William Burroughs

A mancha de texto desce sobre a página a partir do canto superior direito, em direcção àquilo que parece ser uma vagina, com uma seta a indicar “Exit Only”. Acima, no que vulgarmente se chama “monte de Vénus” – ainda

Para o Adolfo, com amor

Nunca fui muito à bola com manga. Não, não a fruta. Falo mesmo dessa forma de arte que é a banda desenhada japonesa. O confuso cruzamento da infantilização e erotização das personagens, sobretudo as femininas, deixava-me de pé atrás quando

Para o Adolfo, com amor

Nunca fui muito à bola com manga. Não, não a fruta. Falo mesmo dessa forma de arte que é a banda desenhada japonesa. O confuso cruzamento da infantilização e erotização das personagens, sobretudo as femininas, deixava-me de pé atrás quando

Um brinde ao Yeats

Ainda não li o Dicionários de Lugares Imaginários que a Tinta-da-China publicou no ano passado (2013), escrito por Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, mas gostaria de o fazer sabendo que a páginas tantas iria botar o olho no verbete – Lake

Um brinde ao Yeats

Ainda não li o Dicionários de Lugares Imaginários que a Tinta-da-China publicou no ano passado (2013), escrito por Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, mas gostaria de o fazer sabendo que a páginas tantas iria botar o olho no verbete – Lake

Para M. B.

Brodsky foi um dos que partiu em debandada da antiga União Soviética nos inícios da década de 70 – Soljenítsin faria o mesmo, em 1974, com as cópias do seu Arquipélago Gulag a circularem clandestinamente – depois de a coisa

Para M. B.

Brodsky foi um dos que partiu em debandada da antiga União Soviética nos inícios da década de 70 – Soljenítsin faria o mesmo, em 1974, com as cópias do seu Arquipélago Gulag a circularem clandestinamente – depois de a coisa

Sobre as Livrarias

Por vezes dou por mim a dar voltas à cabeça com assuntos para os quais não fui preparado academicamente mas que me interessam, mais não seja porque afectam directa ou indirectamente a minha actividade de eleição, obviamente a da escrita.

Sobre as Livrarias

Por vezes dou por mim a dar voltas à cabeça com assuntos para os quais não fui preparado academicamente mas que me interessam, mais não seja porque afectam directa ou indirectamente a minha actividade de eleição, obviamente a da escrita.

Camus, Rorschach e Margarida Rebelo Pinto

Ontem, que fez 100 anos passados desde o seu nascimento, eu queria muito ter escrito sobre Camus. Falar deste francês nascido na Argélia, tornado pelo destino e pela admiração dos homens numa espécie superior de James Dean das Letras, um

Camus, Rorschach e Margarida Rebelo Pinto

Ontem, que fez 100 anos passados desde o seu nascimento, eu queria muito ter escrito sobre Camus. Falar deste francês nascido na Argélia, tornado pelo destino e pela admiração dos homens numa espécie superior de James Dean das Letras, um

Entre os hipsters e Deus há o Sufjan Stevens

O leque de pessoas do mundo artístico (onde, para que não fiquem dúvidas, estou a incluir a literatura) que admiro é vastíssimo, mas há sempre alguns que me são mais próximos, mais queridos, mais meus. São aqueles a que regresso

Entre os hipsters e Deus há o Sufjan Stevens

O leque de pessoas do mundo artístico (onde, para que não fiquem dúvidas, estou a incluir a literatura) que admiro é vastíssimo, mas há sempre alguns que me são mais próximos, mais queridos, mais meus. São aqueles a que regresso

Hemingway e Andre Dubus: dois contos desoladores

Andre Dubus nasceu em 1936 no estado do Luisiana e morreu em 1999. A sua obra, enquanto escritor de ficção, é quase exclusivamente de conto, género a que se dedicou depois de ler Tchékhov, uma das suas influências. Outras referências

Hemingway e Andre Dubus: dois contos desoladores

Andre Dubus nasceu em 1936 no estado do Luisiana e morreu em 1999. A sua obra, enquanto escritor de ficção, é quase exclusivamente de conto, género a que se dedicou depois de ler Tchékhov, uma das suas influências. Outras referências

O Cowboy da Walker Brothers

Quantas vezes não dizemos ou ouvimos dizer “Vá, vem daí dar uma volta comigo”? A frase, ou qualquer sua variante, pode indicar e servir para muita coisa, mas é sempre indício de que algo se irá passar, algo que nos

O Cowboy da Walker Brothers

Quantas vezes não dizemos ou ouvimos dizer “Vá, vem daí dar uma volta comigo”? A frase, ou qualquer sua variante, pode indicar e servir para muita coisa, mas é sempre indício de que algo se irá passar, algo que nos

A vida com cinto de segurança

O nome era-me familiar. Até as capas de vários livros já traduzidos. Mas a notícia, não me surpreendendo especialmente, pela muito badalada qualidade, apanhou-me desprevenido. Alice Munro ganhou o prémio Nobel a 10 de Outubro de 2013. E eu, tal

A vida com cinto de segurança

O nome era-me familiar. Até as capas de vários livros já traduzidos. Mas a notícia, não me surpreendendo especialmente, pela muito badalada qualidade, apanhou-me desprevenido. Alice Munro ganhou o prémio Nobel a 10 de Outubro de 2013. E eu, tal

O tom universal do mundano

Não confirmei, mas provavelmente já alguém o disse: Alice Munro escreve sobre a vida; numa frase, acerca da natureza imanente da vida. As suas histórias, ou melhor, as suas personagens (porque, de facto, as suas histórias são as suas personagens),

O tom universal do mundano

Não confirmei, mas provavelmente já alguém o disse: Alice Munro escreve sobre a vida; numa frase, acerca da natureza imanente da vida. As suas histórias, ou melhor, as suas personagens (porque, de facto, as suas histórias são as suas personagens),